A SAÚDE DOS VENTOS - PARTE 2

A SAÚDE DOS VENTOS - PARTE 2

R$ 49,00
R$ 44,10
. Comprar  
De Waldomiro Manfroi
ISBN: 978-85-5527-063-5
296 págs
16 x 23cm
No A Saúde dos Ventos II, o narrador, Prof. Humberto Leivas, continua transcrevendo acontecimentos médicos, políticos, culturais e sociais como os teria encontrado num suposto Diário do passado. Assim o leitor perceberá detalhes da evolução de uma época pouco conhecida pelos gaúchos. A despeito dos constantes conflitos entre o governo positivista com a Faculdade de Medicina e Farmácia de Porto Alegre, relacionados à Liberdade Profissional, a instituição de saúde se manteve aberta e progrediu. Na Santa Casa ampliaram-se as especialidades médicas. Por meio das teses de conclusão do curso, professores e alunos passaram a oferecer alternativas para o saneamento e o aporte de água potável. Os médicos higienistas, além de atuarem nas questões de saúde da população, passaram a orientar os pais na educação dos filhos, nas questões de higiene, nas vestimentas, nos hábitos familiares. Apregoavam que os cuidados com a higiene não deviam se limitar aos bons costumes e à limpeza das casas. E as crianças, que tipo de educação recebiam nos seus lares? Era a mãe que amamentava os filhos ou ainda imperava a cultura da escrava ama-de-leite? Os pais deviam mandar seus filhos para os internatos, a fim de afastá-los dos perniciosos hábitos oriundos do Período Colonial? Como os pais, os professores e os médicos podiam combater o onanismo? E seriam as bactérias ou os miasmas que transmitiam as doenças? Não era apenas nas campanhas a favor da vacina da varíola que os médicos deviam atuar. Se a ciência médica progredia a olhos vistos, não era menos verdade que esses conhecimentos ainda eram pouco usados em benefício da população. E, justificando que os romances eram fontes importantes para se compreender melhor épocas, o narrador do Diário volta a se socorrer da literatura para reforçar seus argumentos. Nos romances, as personagens mostravam-se como eram na intimidade. Criadas com maior ou menor rigor revelavam seu modo de ser, de conviver, de se conduzir em sociedade. Ao conhecer como era o comportamento de Aurélia, personagem de Alencar, o leitor perceberia como era vista a mulher do século dezenove. No romance Casa de Pensão, Aluísio de Azevedo, o leitor perceberia como era bárbara a educação no século novecentista. Com minuciosos detalhes, Prof. Humberto retrata muitos outros episódios históricos marcantes. Dentre eles, a participação dos médicos e dos estudantes de medicina no combate à Gripe Espanhola em 1918; a participação na Revolução de 1923; a posse de Getúlio Vargas como Presidente do Estado, em 1928, no Salão Nobre da Faculdade Livre de Medicina; a participação de alunos e professores na Revolução de 1930. Toda essa minuciosa narrativa é entremeada com o tom lúgubre e laudatório do Prof. Humberto em diversas passagens, como quando surge, por exemplo, a triste notícia da morte do Prof. Sarmento Leite, em 25 de abril de 1935. É um funeral apoteótico, no qual os alunos carregam nas costas o esquife do seu Diretor, desde o prédio da Faculdade até o Cemitério da Santa Casa, na Colina da Azenha. Desse modo, ele segue descrevendo cenas e cenários que registraram o fim da Liberdade Profissional no Estado, a criação do Sindicato Médico e a implantação da Universidade de Porto Alegre. 
• Código do produto: 50467F
• Quantidade mínima: 1
• Frete: grátis
Veja também